Os Acólitos.

O acolitado é um serviço que remonta aos primórdios da Igreja como serviço generalizado nas comunidades cristãs, segundo testemunhos dos Papas S. Cornélio (séc. III) e S. Siríaco (séc. IV).
Ser Acólito é servir Jesus no Altar, no meio da sua comunidade de discípulos de Cristo.  O Acólito é alguém que tem uma relação especial, próxima com o Senhor e que se sabe amado por Ele e que reciprocamente, quer amá-l’O com todo o coração, com toda alma e com todas as forças; por conseguinte, o servidor do altar deve dialogar com Ele na oração de cada dia.
Porém, na Liturgia não são apenas os Acólitos que desempenha uma função especial. Assim nos diz o Concílio Vaticano II: “Os que servem ao altar, os leitores, animadores e elementos do grupo coral desempenham também um autêntico serviço/ ministério litúrgico. Exerçam, pois, a sua função com piedade autêntica e do modo que convém a tão grande ministério que  lhes exige o Povo de Deus. É, pois, necessário imbuí-los de espírito litúrgico, cada um a seu modo, e formá-los para executarem perfeita e ordenadamente a parte que lhes compete.”(S.C. 29)
Quanto à sua tarefa, é fácil, porque o sacerdote é o seu ponto de referência que lhe ensina tudo o que deve saber, o que tem de fazer e os livros a utilizar.
Ser Acólito é um Serviço muito nobre, porque é servir Jesus no seu Altar e na sua Igreja. É servir e ajudar toda a comunidade cristã. Não é um serviço como outro qualquer, uma vez que se desempenham funções, mais próximas de Jesus, juntos da Palavra e da Eucaristia que Ele nos deixou. Daí que é natural que o Acólito se prepare bem e o faça o melhor que seja capaz, dando bom exemplo diante de todos.
Embora nem sempre o acólito tenha exercido exclusivamente funções litúrgicas, hoje ele é um “ministro” do altar; está ao serviço da Liturgia e da assembleia litúrgica. É no sector da Liturgia – e não na evangelização nem no serviço da caridade – que se situa a acção dos acólitos. Tal como os leitores e os cantores, também os acólitos emprestam com a sua participação, alguma beleza e solenidade aos ritos litúrgicos em que intervêm.
Na Missa, por exemplo, o acólito é aquele que, de túnica branca e compenetrado nas suas funções, acompanha e serve atentamente o presidente da celebração ou outros ministros litúrgicos, contribuindo para que a celebração se faça com um uma certa ordem, perfeição e dignidade. Fazendo-o, com muito espírito de fé, o acólito serve, assim, o próprio Jesus e toda a assembleia reunida à volta do Altar para “dar graças”.
Nuno Campos


Sara Gaspar, Presidente
acolitos@lindaavelha-paroquia.org

Anúncios